Top Nav

Endovélico, a vida depois da morte - Deuses Lusitanos

abr. 7, 2021 1 comments

Começamos esta rubrica sobre Deuses Lusitanos por Endovélico, o Deus da vida depois da morte.

Endovélico é teorizado como sendo o Deus principal do panteão lusitano. Esta teorização vem do facto de ser o Deus do qual temos bastantes artefactos e informação, levando-nos a pensar ser cultuado por uma abundância de pessoas na Península Ibérica, mesmo que de forma localizada, bem como por ser o mais venerado por neo-pagãos.

Tinha dois epítetos principais, um solar, que conhecemos como Endovélico ou Indovélico, e um ctónico, Endobólico. Ou seja, era venerado tanto como um Deus dos céus como do submundo - é também esta dualidade que nos faz assumir que este poderia ser um "Deus Pai" lusitano, pois é semelhante a outros Deuses como algumas versões de Jupiter e Zeus. 

Esta dualidade solar-ctónica leva à interpretação desta divindade ser tanto da vida como da morte, ou, juntado os dois, da vida depois da morte. No entanto, como Deus do submundo, não era um castigador, mas sim um guia.

A sua faceta solar é considerada uma divindade da cura, da terra e da vegetação. Podemos considerá-lo quase o Deus que representa o ciclo da vida - que faz a terra crescer, e com ele leva-a, quando esta morre. Este "ciclo da vida" está também presente no seu mito com Ataegina, que abordaremos na publicação sobre a Deusa.

O símbolo que mais conhecemos deste Deus é o javali, pois figuras deste animal eram utilizadas no culto a Endovélico. Este animal pode revelar-nos a personalidade do Deus. Na crença druídica, o javali é um animal do conhecimento sagrado e poder espiritual, que revela o saber oculto e esconde-se entre os arbustos. Este animal também simboliza força, confiança e agressividade.

Outros símbolos desta divindade são: a folha da palmeira, que representa a vitória, paz e vida eterna; o jarro e o vinho, representativos da abundância; as folhas de louro, que representam cura e proteção; pombas, símbolos da paz; e o eclipse solar, devido à natureza solar e ctónica do Deus. Cores deste Deus poderão ser o preto e o branco (pela sua dualidade de vida e morte), o dourado (muito associado a deuses solares), o castanho e o verde (pelas associações com a terra). Possíveis signos são Capricórnio, Touro e Virgem, e números são o 1 e o 4. 

Em São Miguel de Mota, no Alentejo, ainda podemos encontrar um templo a Endovélico, com inscrições dos Seus devotos.

Possiveis oferendas para a veneração moderna de Endovélico são o vinho, plantas (por exemplo, ter um vaso com ervas consagrado a Endovélico), enterrar louro, ou fazer um pequeno javali de barro - a veneração deverá ser feita especialmente durante eclipses. Já em práticas espirituais, poderá chamar-se Endovélico em questões de saúde ou da morte de alguém querido para este o proteger, e pode-se utilizar louro e folhas de palmeira como plantas protetoras, bem como todos os outros símbolos do Deus. 

Referências: 

https://omoledro.wordpress.com/deuses-ibericos/endovelico/

https://www.atdlusitana.org/panteao-celtico-lusitano

https://www.wook.pt/livro/religioes-da-lusitania-i-jose-leite-de-vasconcelos/68386?a_aid=6043a09298b74

https://www.wook.pt/livro/deuses-e-rituais-iniciaticos-da-antiga-lusitania-gilberto-de-lascariz/1499014?a_aid=6043a09298b74



@probablysininho

O Deus Endovélico | Próxima: A Deusa Ataegina ##DeusesLusitanos ##portugal ##pagã ##mitologialusitana ##lusitano ##pagan ##paganism ##pagão ##endovelico

♬ som original - Rosa🧚‍♀️

Comentários

Enviar um comentário

Related Posts

{{posts[0].title}}

{{posts[0].date}} {{posts[0].commentsNum}} {{messages_comments}}

{{posts[1].title}}

{{posts[1].date}} {{posts[1].commentsNum}} {{messages_comments}}

{{posts[2].title}}

{{posts[2].date}} {{posts[2].commentsNum}} {{messages_comments}}

{{posts[3].title}}

{{posts[3].date}} {{posts[3].commentsNum}} {{messages_comments}}

Comentários

Formulário de Contacto